quinta, 06 de maio de 2021
Terça Livre TV
Conservadores
Política

É sério? Tá brincando né?

Uma análise das medidas restritivas

26 dezembro 2020 - 12h07Por Reinaldo Valverde Pereira

     As perguntas do título refletem o espanto de uma “meia dúzia” de brasileiros ainda não contaminados pelo apocalipse zumbi, reagindo a maioria das medidas restritivas, impostas, sim eu falei impostas pelos “pequenos reis absolutistas”, ô desculpe errei, editadas pelos governadores e prefeitos para o seu próprio bem, para proteger sua vida, somente proteger não, literalmente salvar a sua vida, os salvadores da pátria em ação. E agora quem poderá nos defender? Euuu o governador, euuu o prefeito. A seguir vou relatar algumas medidas restritivas que tem confirmado que o Brasil virou um grande hospício a céu aberto. São tantas medidas absurdas, ridículas, idiotas, esdrúxulas, patéticas, etc., etc., etc., que será uma tarefa árdua separar algumas pérolas porque se for colocar todas daria um grande livro. Só para você saber não estou seguindo nenhuma ordem específica coloquei aleatoriamente e cabe a você querido leitor escolher a sua preferida.

     O prefeito de Belo Horizonte - MG, foi muito esperto, ele autorizou a abertura dos bares, porém, entretanto, todavia fica proibida a venda de bebida alcoólica, ou seja, posso abrir mas não posso vender meu produto, é pra rir ou pra chorar? Com raríssimas exceções um indivíduo sai de casa vai a um bar e chegando lá passa horas e horas tomando Coca-Cola, ou Pepsi ou até mesmo água mineral, não sei se o excelentíssimo prefeito sabe, mas tecnicamente a bebida alcoólica é a razão de existir de um “buteco” aí vem o “caboclo” uma ideia dessa, isso é de uma “jumentisse” em dose “dinosáurica”, o raciocínio de uma criatura dessa não podemos nem assemelhar aos jumentos, para não ofender os coitadinhos dos jegues que não tem nada a ver com isso.

     O governador de São Paulo copiou a medida do mineiro, mas deu uma amenizada anunciou a proibição da venda de bebidas alcoólicas em restaurantes e conveniências após as 20h. Os restaurantes e conveniências podem funcionar até as 22h, como prevê a fase amarela do Plano São Paulo, mas deverão encerrar a venda de bebida alcoólica até as 20h. Essa foi uma medida tomada pelo gênio que comanda os paulistas. Gente faz sentido um negocio desses? Vamos ao raciocínio do gênio, não tem o que raciocinar é uma medida completamente inútil (no que diz respeito ao combate ao vírus) serve apenas para continuar o processo criminoso de falência no seguimento, aliás inútil é elogio, isso é um caso de insanidade metal, podem chamar o pessoal do manicômio e manda trazer a camisa de força, porque não demora muito o homem começa a rasgar dinheiro e comer bosta, bem rasgar dinheiro seria um problema porque seria tecnicamente o dinheiro do povo.

     Imagine a decepção do “cabra” que assistiu as temporadas sete e oito (2010/2011) de um dos melhores reality show produzidos na TV brasileira, “O Aprendiz”, apresentando por esse mesmo sr. que hoje governa São Paulo, aliás o mesmo não, porque este enlouqueceu após se tornar político, o mesmo nega até hoje ser um político alega ser um gestor, alguém atualmente teria coragem de entregar sua empresa a esse gestor? A pergunta é retórica todos já sabem a resposta. Durante o reality, o mesmo se apresentava como um grande professor do “business world” e era mesmo, falo por experiência própria porque eu assistir, ainda está disponível do You Tube, assistam é bom, não se preocupe porque naquele período o “calça apertada” ainda estava em uso de suas plenas faculdades mentais.

    Agora é a vez da capital federal, o governador do DF determinou o protocolo para o funcionamento de bares e restaurantes, várias são medidas conhecidas de todos como álcool 70%, distanciamento por esta razão só podem funcionar com 50% da capacidade, agora segura que lá vem a pérola: funcionários e clientes precisam usar máscaras, ou seja, vou comer e beber por telepatia, ingerir os alimentos e bebidas pela força do pensamento, alguém por favor pode informar esse sábio que para comer se faz uso da boca e usando máscara a boca fica lacrada, logicamente as pessoas vão retirar a máscara ao sentar para comer, seguindo este raciocínio o vírus é letal ao estarmos em pé, mas ao sentar tudo fica lindo.  Alguns dias atrás teve um jornalista inteligente que reclamou porque o presidente fez um lanche sem uso da máscara, ou seja, segundo mais este sábio, comer sem máscara é um crime, por isso o presidente é sempre acusado de genocida, vou sugerir a esse pseudojornalista que ele lance um curso de como comer usando máscara. Outra medida genial do mesmo foi reduzir o horário de funcionamento porque assim os clientes vêm todos mais cedo antes de fechar e não acontece aglomerações, acertei?

     Essa agora é mais antiga mais eu achei tão legal que resolvi colocar. O iluminado prefeito da capital paulistana, o discípulo de “apertadinho” em seu esplendor de bondade com o propósito de salvar vidas decretou o famoso rodízio “par/ímpar” explico: os veículos com placa de final par (0, 2, 4, 6 e 8) só poderão circular nos dias pares. Os carros com placas que terminam em número ímpar (1, 3, 5, 7 e 9) poderão circular nos dias ímpares. Veja a explicação do douto: “Dessa forma, os veículos estão liberados para trafegar pela cidade dia sim, dia não, inclusive nos feriados e fins de semana, a ideia do rodízio é restringir ainda mais a circulação de pessoas, principalmente quando o isolamento social na cidade tem ficado abaixo dos 50% - valor mínimo considerado satisfatório para diminuir a propagação do ‘coronga’”, o jerico em forma de gente só esqueceu que se a pessoa não pode usar seu carro vai usar o transporte público: ônibus, metrôs, trens e etc., só para registar o transporte urbano no primeiro dia do insano rodízio aumentou na casa dos 15%, sendo assim na cabeça do inovador prefeito, um carro com 05 pessoas geralmente da mesma família é aglomeração mas um ônibus lotado com uma centena de passageiros ou um metro com 300 é normal, é só usar máscara que fica tudo bem, isso é a burrice em estado bruto, aliás, vou fazer uso do espaço para pedir desculpas aos burros eles não merecem tamanho desrespeito com essa comparação ridícula.

     Em Sergipe o raciocínio lógico foi enforcado, esquartejado, depois queimado e as cinzas jogadas no Rio Vaza-Barris. No auge da pandemia desde março até julho, só poderia funcionar serviços essenciais, sendo assim o comércio todo foi literalmente lacrado, mas uma coisa estranha aconteceu, as feiras livres em todas as cidades do Estado nunca deixaram de funcionar, ou seja, segundo o inteligentíssimo governador do Estado de Sergipe, uma loja de pequeno porte com dois, três funcionários e entrando um ou dois clientes por vez totalizando aí um quantitativo de no máximo cinco pessoas dentro da loja é uma aglomeração perigosíssima, mas cinco ou dez mil pessoas circulando em uma feira em ambientes bem apertados e algumas em galpões fechados está tudo bem, esqueci estavam usando máscaras, embora que 90% estejam no queixo, mas tudo bem. Veja a loucura de uma medida dessa, a qual levou pequenos comerciantes a falência, mas é para o seu próprio bem dizia o erudito mandatário do Estado de Sergipe.

      No Rio Grande do Sul os “sientistas” contratados pelo governo do Estado fizeram uma grande descoberta, o “coronga” não sobrevive próximo às águas salgadas, por esta razão as pessoas estão liberadas para irem à praia, observando o distanciamento social e usando a máscara podendo retirá-la apenas para entrar na água, nesta região não existe riscos segundo os “ispecialistas”,  o interessante é que em outras regiões do litoral brasileiro segundo os “sientistas” o “coronga” mora justamente na praia, este é o caso de Salvador-BA, na qual o prefeito mandou cercar as praias (você não leu errado é cercar mesmo), pois o “dito cujo” está morando na faixa de areia e nas águas, podendo as pessoas circular livremente nas calçadas pois nesta localidade específica não existe risco, pode ficar em paz. E a loucura em estado bruto continua, veja que para uma mesma situação os decretos são totalmente opostos, será que a ciência estudada no Rio Grande do Sul é diferente da ciência estudada na Bahia, ou é só mesmo mais uma medida de controle social sem eficácia comprovada? Cada um responda para si mesmo.

     O isolamento social vou falar de forma genérica porque foi similar em todo o país. Veja só a loucura conhecida por fique em casa, isso é tecnicamente impossível, para ficar em casa de fato a pessoa precisa de um lastro financeiro significativo, eu creio que no patamar necessário para isso deve ter aí no máximo uns 10% da população (chutômetro) e olhe lá. Como ficar em casa sem trabalhar se o meu salário é o único meio de sobrevivência? Só para lembrar ficar em casa não garante isolamento, porque uma parcela significativa da população brasileira vive “naturalmente” aglomerada, tem bairros em cidades grandes do país que as pessoas vive, em ruas apertadas (becos), que para passar só de “bandinha”, casas minúsculas que moram uma família inteira, sem Netflix, Internet, Celular e etc., como um cidadão desses vai conseguir ficar em casa o dia inteiro contando as telhas, impossível. Outro cenário digamos que a pessoa ficou em casa e escolheu um membro da família para sair e comprar o pão, ao chegar em casa o isolamento da família foi quebrado por esse indivíduo que saiu, mesmo que você tenha dinheiro para o delivery, ao receber qualquer coisa em casa já foi isolamento, uma pesquisa feita em Nova Iorque nos Estados Unidos mostrou que 80% das pessoas se contaminaram em casa, sendo assim ficar em casa não é eficaz, muito pelo contrário leva as pessoas a adquirirem outras doenças sobretudo nos campos psíquico e psiquiátrico.

     Vou parar por aqui, a intenção era só trazer uma amostra de como os governadores e prefeitos estão manipulando as pessoas. País a fora choveu decretos “loucos”, empurrados goela a baixo na população que amedrontada infelizmente obedeceu a maioria deles, obedeceu literalmente por livre e espontânea pressão, já que a maioria destes não serviram, não servem e nunca servirão para absolutamente nada, muito pelo contrário tais determinações trouxeram foram muitas falências, pobreza, depressão, suicídio e outras mazelas similares ou piores, infelizmente não temos dados ainda sobre tais efeitos colaterais, mas no futuro quando tudo isso passar e as coisas começarem a entrar no eixo e as pessoas começarem a analisar com mais critério vão o quanto o povo em geral foi manipulado, tratados como fantoches nas mãos desses ditadores em treinamento, espero em Deus que todos sejam reprovados em seus projetos de poder.

    Em nenhum momento desaconselho seguir as recomendações médicas sérias, mas recomendações é uma coisa insanidades é outra, falam em nome da ciência, mas que na verdade não tem nada de científico, trata-se apenas de pousar herói através da manipulação estatística a seu bel-prazer, teve um certo governador, que atende pelo codinome “apertadinho” que alega ter salvado 25 mil vidas com o isolamento social, ninguém sabe de onde ele tirou esse número, mas isso não é problema já é tradição na política brasileira a mentira, teve um ex-presidente, não vou falar o nome para evitar processos é um que esteve preso e foi solto pelo STF, o mesmo falou abertamente que adorava ir para o exterior mentir em seus pronunciamentos ia citando estatísticas falsas no “chutômetro”, o mesmo declarou: “Eu cansei de viajar o mundo falando mal do Brasil gente, era bonito a gente viajar o mundo e falar no Brasil tem 30 milhões de crianças de rua,... no Brasil tem não sei quantos milhões de abortos, era tudo clandestino, mas a gente ia citando números... se o cara perguntasse a fonte a gente não tinha, mas ia citando números... no Brasil tem 25 milhões de crianças de rua, eu era aplaudido calorosamente pelos franceses...”. Possivelmente “apertadinho” deve ter tomado umas aulas com o sr. barbudo, vamos falar assim em código para ninguém descobrir quem é o indivíduo.

     Uma análise superficial das coisas deu para ver a gravidade da situação, o “coronga” é um problema, o lidar com o mesmo de forma irresponsável tem criado vários outros problemas infinitamente maiores, as liberdades individuais estão sendo surrupiadas em nome de uma segurança imaginária.

     Apontei os governadores e prefeitos como pessoas de pouco ou nenhum raciocínio, a título de zombaria, mas é claro que os mesmos estão agindo em torno de seus interesses particulares e por trás de todas essas medidas insanas existe sim interesses escusos, planos de perpetuação no poder, planos corruptos para desviar recursos, projetos ditatoriais e a população está servindo de cobaia em todo este plano maléfico que queira Deus venha a falhar, vale lembrar que geralmente como todo ditador que se preze segue o lema: “Deus para mim e diabo para os outros”, quem não lembra de um certo ditador cubano que odiava o capitalismo e usava roupa da Adidas e dois rolex, enquanto a população se orientava pelo sol e vestia "trapos", todos esses governadores e prefeitos não seguem suas próprias restrições, “apertadinho” entrou na maior saia justa esta semana, mandou trancar seu "reino particular", e viajou para o exterior para curtir a vida, o outro mandou cercar as praias e fez uma “festança” de casamento bem aglomerada.

     Ditas estas coisas afirmo sem medo de errar que é muito claro o ataque a democracia que de fato está em vertigem.

 

Reinaldo Valverde Pereira, o professor Valverde detém os cursos de Licenciatura em História e Bacharel em Teologia, possui ainda formação profissionalizante em Jornalismo Digital e é autodidata em empreendedorismo. É Entusiasta do Conservadorismo e do Liberalismo Econômico. Dispõe de uma vasta experiência em docência com passagens pelo ensino fundamental, médio e educação de jovens e adultos. Atuou como professor da Rede Privada de Salvador e atualmente é professor da Rede Estadual de Sergipe, além de escrever periódicos, sendo colunista de vários portais de notícias de todo o Brasil escrevendo sobre diversos temas.

Instagram: @professor.valverde

Twitter: @profvalverde