sábado, 08 de maio de 2021
Saúde

Médica do Amazonas denuncia equívocos no sistema de saúde e faz apelo ao Presidente Bolsonaro, Ministério Publico e Tribunal de Justiça.

12 janeiro 2021 - 01h52Por Silvio Rodrigues

A Médica Ginecologista e Obstetra Ana Cristina Rebouças encaminhou à Redação do Jornal O Conservador na manhã desta segunda-feira (11), um vídeo onde faz denúncias sobre a utilização das maternidades de Manaus para criação de leitos de UTI e enfermarias para tratamento de pessoas infetadas pelo coronvirus, ao tempo em que fez  um apelo dramático ao Presidente Jair Bolsonaro para que intervenha na situação caótica e calamitosa em que se encontra a situação do serviço de saúde de Manaus.

Ana Cristina alerta para a situação de alto risco a que estão sendo expostas as pacientes destas maternidades. “A Prefeitura de Manaus e o Governo do Estado estão equivocados diante desta situação calamitosa em que estamos vivendo. Este momento é muito pior que o primeiro e nas maternidades não temos Clínicos Gerais e nem Infectologistas para atender estas pessoas. Os obstetras não têm ´preparo para lidar com esse tipo de situação, além do risco a que estão sendo expostas as pacientes das diversas maternidades que ora estão sendo transformadas em hospitais para tratamento de pessoas infectadas com a covid”. Alertou.

A Doutora disse ainda que os especialistas como ela podem fazer o acompanhamento, mas que se fazem necessários,  profissionais responsáveis pela fisioterapia, pelo serviço social, pela parte psicológica e respiratória das pacientes infectadas pelo coronavírus.

Apelo e confiança

A Médica reforçou o apelo ao Conservador atribuindo a confiança de que este Jornal fará chegar ao conhecimento do Presidente Bolsonaro o alerta ora feito. “Faço o apelo a vocês da imprensa e confio que vocês me ajudarão a encaminhar este apelo ao Presidente Bolsonaro para que estas mulheres e crianças não sejam prejudicadas com a situação que pode gerar muitas complicações, mortes e órfãos. Ajudem a divulgar este alerta e apelo para que vidas inocentes não se percam pela falta de respeito dos nossos governantes”. Asseverou Cristina.

Apesar dos esforços que se tem visto neste momento desesperador, onde muitos de nós que vivemos no Amazonas, temos lamentado o adoecimento de pessoas conhecidas e queridas, e até a perda destes entes amados, não podemos como cidadãos, concordar com as medidas drásticas e até mal calculadas que, conforme vimos e ouvimos no depoimento da Doutora Ana Cristina; transformar maternidades em hospitais de emergências, não tem sentido; considerando que o ambiente é altamente sensível e que apesar do momento critico, existem alternativas.

Maternidades não são hospitais de emergência

As maternidades de Manaus já sofrem com a falta de estrutura, equipamentos, pessoal para o serviço e desvalorização do pessoal de serviço. Como mostramos em matérias anteriores, a situação das maternidades já é caso de policia e de justiça, vem agora o governo do Estado e Prefeitura de Manaus, segundo a médica, sobrecarregar estes ambientes que por si só já não cumpriam com suficiência o seu oficio e agora com esta sobrecarga é querer transformar a situação do Estado em “zona de guerra”. É implodir o sistema e deixar que todos morram por insuficiência de recursos para o atendimento.

Não se pode incorrer neste gravíssimo erro e nem permitir que aconteça. Tivemos dois hospitais de campanha em funcionamento e todo o tempo fomos alertados sobre a segunda onda de contaminação. Sabiam ainda as autoridades da saúde, jurídicas e governamentais que a possibilidade de haver uma segunda onda com um vírus mais forte, uma situação mais devastadora e com o tempo de destruição mais acelerado por este mal, ainda assim, desativaram as estruturas dos hospitais de campanha, não ampliaram os hospitais permanentes e nem estruturaram a cidade para um possível segundo ataque do vírus letal.

Governantes relapsos

Faltou visão profilática do Governo do Estado, faltou seriedade e respeito à população de Manaus pelo ex-prefeito Arthur Neto, quem se envolveu em diversos escândalos de corrupção ao invés de se envolver em cuidados preventivos para a sociedade manauense. Que deixou problemas, dívidas e armadilhas para seu sucessor. Que não teve nenhuma consideração por quem lhe concedeu oito anos de mandato e confiança; em retribuição, destruiu a cidade e prejudicou sua gente.

O Governador Wilson Lima também foi faltoso em suas ações. Para quem viveu um ano de terríveis perdas, de calamidades públicas, de estagnação econômica, caos total no sistema de saúde e lamentavelmente casos de corrupção; não agiu de forma a reparar os danos causados por seu governo e sofridos pelo povo do Amazonas. Deixou a viagem seguir sabendo que não havia estrada ou ponte para dar condições de chegada, e o que vimos hoje é o reflexo da falta de vontade, de visão, de gestão e de planejamento de nossos governantes que agora usam a vacina como argumento para justificar suas faltas e transferir responsabilidades.

Compromisso com a verdade

A direção do Jornal O Conservador, na condição de veiculo de imprensa responsável, atuante e que procura colocar-se ao lado da verdade e da justiça, assume juntamente com sua equipe de Redação, o compromisso de fazer chegar ao conhecimento do Presidente da República Jair Bolsonaro, o apelo feito pela Doutora Ana Cristina Rebouças, em nome da população do Amazonas.

Confira o vídeo.