sábado, 08 de maio de 2021
Terça Livre TV
BRASIL PARALELO
internacional

O ministro russo Sergey Lavrov fará uma turnê latino-americana que culminará na Venezuela

30 janeiro 2020 - 14h49Por Jose Luis A Monasterios
     O ministro do Exterior da Rússia, Sergey Lavrov, visitará a América Latina na primeira semana de fevereiro.
 
     A viagem começará com uma parada técnica em Cuba, passará pelo México e terminará na Venezuela.
 
     A informação foi divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores da Rússia através de sua conta no Twitter.
 
     A primeira escala será na quarta-feira, 5 de fevereiro, para uma reunião com o ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez.
 
     No dia seguinte, quinta-feira, 6 de fevereiro, ele estará no México para uma reunião com seu colega Marcelo Ebrard para trocar “opiniões sobre questões internacionais e regionais”, diz a publicação.
 


#Zajárova: 07.02 S.#Lavrov hará una visita a #Venezuela donde tiene previsto sostener negociaciones con la Vicepresidenta Ejecutiva @DrodriguezVen, y el canciller @jaarreaza. El jefe de la diplomacia rusa será recibido por el Presidente de #Venezuela @NicolasMaduro pic.twitter.com/Uvu4mVRrx2

— MAE de Rusia (@mae_rusia) January 30, 2020 ">http://

 


     A viagem culminará na sexta-feira, 7 de fevereiro, em Caracas, onde será recebido pelo presidente em disputa Nicolás Maduro.
 
     Ele também realizará reuniões com o vice-presidente do governo em deputado, Delcy Rodíguez, e seu chanceler, Jorge Arreaza.
 
     A porta-voz russa, María Zajárova, explicou em entrevista coletiva que a viagem ao país sul-americano busca a "intensificação" da cooperação bilateral em áreas como energia, indústria de mineração, tecnologia militar, entre outras.
 
     Além disso, a agência também está falando sobre medidas para lidar com as "sanções unilaterais" contra o governo em disputa na Venezuela, a quem eles apontam como os culpados da crise no país petrolífero.
 
     Rússia e Cuba são aliados conhecidos do governo de disputa de Maduro, situação que tornou mais tensa a relação com os EUA.