sexta, 07 de maio de 2021
Terça Livre TV
Conservadores
Internacional

Foram encontradas em 14 países das Américas, três variantes do vírus da COVID-19, informa OPAS

08 fevereiro 2021 - 19h53Por Silvio Rodrigues

Três novas variantes do vírus SARS-CoV-2, causador da COVID-19, foram detectadas em 14 países das Américas, o que gera preocupações sobre a possível maior propagação e gravidade dos casos de COVID -19 na região. Esse informe foi publicado pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) em sua mais recente Atualização Epidemiológica.

Os países são: Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Cuba, Equador, Estados Unidos da América, Jamaica, México, Panamá, Peru, República Dominicana, Santa Lucia e Trindade e Tobago. As mutações são esperadas como parte da propagação de qualquer vírus, segundo a Gerente de Incidentes da OPAS, Sylvain Aldighieri. “É por isso que pedimos às autoridades nacionais e locais que continuem fortalecendo as atividades voltadas para o controle da doença, incluindo o monitoramento de perto da COVID-19”. Disse Aldighieri.

A vigilância epidemiológica é necessária, incorporando vigilância genômica regional ampliada, investigação de surtos e rastreamento de contatos. Quando apropriado, o ajuste das medidas sociais e de saúde pública, também são importantes para reduzir a transmissão.

A atualização da OPAS destaca que “recentemente foi documentado que as pessoas infectadas com a variante VOC 202012/01 têm um risco maior de morrer do que as infectadas com outras variantes. Estudos preliminares sugerem que a variante 501Y.V2 está associada a uma carga viral mais elevada, o que pode sugerir um potencial maior de transmissibilidade”.

Em referência às duas variantes detectadas recentemente no Reino Unido e na África do Sul, Aldighieri observou que nenhuma transmissão comunitária parece ter ocorrido na região das Américas até agora. Os casos parecem ser limitados, por enquanto, a pessoas que viajam partindo dos dois países ou estão conectadas a pessoas que partem desses países.

A terceira variante, detectada no Estado do Amazonas, Brasil, é mais prevalente em nível local. Pesquisadores sugeriram recentemente um nexo de causalidade com o aumento de internações observado nas últimas semanas em Manaus. “Ainda é cedo para tirar conclusões sobre a intensidade da associação entre o aparecimento da variante e a dinâmica recente de transmissão”. Afirmou Aldighieri.

Alcançando um marco sombrio, o número de mortes nas Américas devido à COVID-19 chegou a 1.015.534 pessoas em 26 de janeiro. O número de indivíduos infectados com a doença foi de 44.197.482 em 56 países e territórios das Américas.

Durante uma recente coletiva de imprensa, a diretora da OPAS, Carissa F. Etienne, observou que “a perda de um milhão de pessoas devido a este vírus deve servir como um apelo urgente de que devemos fazer ainda mais para proteger a nós mesmos e aos outros. Isso inclui fortes apelos para reforçar as medidas de saúde pública necessárias agora em cada um dos locais onde estamos vendo surtos”. Observou Etienne.

 

Com informações da Organização Pan-Americana da Saúde: OPAS/OMS