sábado, 08 de maio de 2021
Terça Livre TV
BRASIL PARALELO
Internacional

Donald Trump deu forte apoio a Juan Guaidó perante o Congresso dos Estados Unidos

"Aceite a mensagem de que apoiamos os venezuelanos em sua luta pela liberdade"

05 fevereiro 2020 - 10h21Por Jose Luis A Monasterios
Durante o discurso anual perante o Congresso sobre o Estado da União, Donald Trump deu forte apoio a Juan Guaidó, a quem reconheceu como o "presidente verdadeiro e legítimo da Venezuela". E ele também o parabenizou por sua coragem e luta pela democracia em seu país.
 
 
"Aqui nesta noite há um homem muito corajoso que carrega consigo as esperanças, sonhos e aspirações de todos os venezuelanos. Aqui conosco está o verdadeiro e legítimo presidente da Venezuela, Juan Guaidó", disse Trump antes dos aplausos dos participantes. no congresso
 
"Sr. Presidente, leve esta mensagem ao seu país", acrescentou, "o povo americano está unido ao venezuelano em sua grande luta pela liberdade".
 
Por outro lado, o presidente dos Estados Unidos disse que a "tirania" do regime de Nicolás Maduro na Venezuela será "esmagada".
 
"O domínio da tirania de Maduro será esmagado e quebrado", disse Trump em um discurso que convidou o líder do Parlamento venezuelano, Juan Guaidó, que os Estados Unidos e mais de cinquenta países reconhecem como presidente interino de Considere que houve irregularidades nas eleições de 2018.

"Os Estados Unidos estão liderando uma coalizão de 59 nações contra a ditadura de Nicolás Maduro", disse Trump. "Maduro é um governante ilegítimo, um tirano que tortura seu povo. Mas o controle de Maduro sobre a tirania será quebrado e quebrado".


Depois de ser reeleito líder da Assembléia Nacional em 5 de janeiro, Guaidó desafiou a proibição de deixar o país emitido pelas autoridades leais a Maduro e, há duas semanas, empreendeu uma viagem internacional que o levou à Colômbia, Europa, Canadá e Estados Unidos em busca apoio para relançar sua ofensiva contra o "ditador".

Em comunicado divulgado terça-feira, a Casa Branca disse que o governo está pressionando sanções "devastadoras" contra Maduro.


">