quinta, 06 de maio de 2021
Terça Livre TV
Pró-Monarquia
América Latina

Congelamento de conta bancária PDVSA na Bolívia

Ministério Público da Bolívia ordenou congelamento da conta bancária da PDVSA em seu país

14 janeiro 2020 - 13h43Por Jose Luis A Monasterios
         Nas últimas horas, o Ministério Público ordenou o congelamento da conta da empresa venezuelana PDVSA na Bolívia, durante a investigação pela tentativa de remover US $ 100.000 do território nacional da Argentina, segundo o Fiscal Marco Villa.
 
     "A gestão econômica foi encontrada na PDVSA, o que o Ministério Público fez para congelar a conta dessa empresa, para que ela possa ser submetida a uma investigação", disse o investigador em entrevista coletiva.
 
     Ele observou que existem cerca de Bs 44 milhões que a empresa estrangeira gerencia no país e que os dados são coletados em conjunto com a Unidade de Investigações Financeiras (FIU) e a Autoridade Supervisora do Sistema Financeiro (ASFI).
 
     A decisão surge após a prisão e o envio para a prisão de ¨Obrajes de María¨ PA, ex-colaborador de Juan Ramón Quintana, preso na quarta-feira passada no aeroporto de El Alto, depois de pretender ilegalmente retirar US $ 100 mil do país, supostamente para financiar um evento político do Movimento ao Socialismo (MAS) na Argentina.
 
     "O que a defesa da sra. Palacios disse na audiência é que esse dinheiro deve ser direcionado ao pagamento de taxas e outros itens da PDVSA Argentina, mas a platéia ficou surpresa com a maneira como esses valores não foram declarados", disse o Fiscal. 
 

Enquanto

Em 2019, a Venezuela caiu 380 kBD em volumes de exportação de petróleo e produtos. Se a situação de dezembro de 2019 continuar, em 100 dias a Venezuela precisará recorrer à compra internacional para cumprir seus compromissos de exportação de petróleo e produtos.

 

     A indústria venezuelana de hidrocarbonetos está em clara deterioração, já que sua produção é da ordem de 700 kBD a 900 kBD (dependendo da fonte de informação) até o final do ano passado, uma vez que o governo (PDVSA) usa um política de opacidade em todos os níveis, para que você precise acessar informações de terceiros para reproduzir cenários. Nesse sentido, para observar o comportamento da produção e exportação, usamos informações da Reuters sobre exportações e o relatório mensal da OPEP para a produção de petróleo.

     O gráfico abaixo reúne essas duas fontes de informação para mostrar o saldo da produção - exportação. Cabe ressaltar que as atividades de exportação, no início de 2019, foram marcadas pelas sanções aplicadas pelos Estados Unidos ao governo venezuelano por considerá-lo afastado dos princípios democráticos. No entanto, o governo por meio de aparelhos conseguiu, em parte, resistir à situação.


     Mas, mesmo assim, a Venezuela experimentou uma queda nas exportações perto de 400 kBD, quando comparada com o volume correspondente ao mês de janeiro.

     No gráfico, a linha vermelha representa a produção de petróleo. O fornecido pela PDVSA à OPEP (fonte primária) e o obtido pela OPEP de fontes secundárias. Essa produção contribui para a satisfação da demanda do mercado interno (área verde) e o restante vai para exportação (área amarela). O volume de exportação é composto pela área amarela e a área azul que representa o complemento volumétrico para totalizar os volumes de exportação comprometidos.

     Nos dois casos (fonte primária e fonte secundária), a satisfação da exportação requer volumes complementares. Esse complemento pode muito bem vir do armazenamento de produção (tankaje) e / ou compras internacionalmente, para honrar os compromissos.

A partir da análise dos números de 2019, derivam-se as seguintes médias:
 
- A produção de petróleo foi de 783 kBD para a fonte secundária e 1018 kBD para a fonte direta.
 
- O volume destinado ao mercado interno foi de 300 kBD (valor estimado)
 
- A produção da fonte secundária contribuiu para a exportação com 483 kBD. A fonte primária com 718 kBD.
 
- O volume exportado foi de 1.000 kBD, valor inferior a 380 kBD quando comparado ao volume máximo ocorrido em janeiro
 
- A necessidade de volumes complementares para exportação foi de 517 kBD para a produção da fonte secundária e 282 kBD para a fonte primária.