sábado, 08 de maio de 2021
Terça Livre TV
Pró-Monarquia
RR Pacaraima

A reuniões entre os diferentes setores afetados em Pacaraima: decidiram abrir a fronteira e a cidade de maneira normal amanhã

O prefeito de Pacaraima foi separado de seu poder

11 fevereiro 2020 - 20h28Por Jose Luis A Monasterios
     Apesar dos esforços das autoridades para interromper os protestos, contra os criminosos venezuelanos que se desenvolvem há cinco dias, as manifestações estão aumentando e assumiram um tom mais forte.
 
 
    E é que os habitantes não receberam uma resposta contundente do estado brasileiro.
 
     O prefeito de Pacaraima foi separado de seu poder e multado após liderar as manifestações sem as permissões exigidas pela legislação brasileira. .
 
     Os abrigos de migração da ONU e do ACNUR estão sendo protegidos pelas forças armadas para evitar um confronto como o que está sendo vivido atualmente na fronteira entre o Brasil e a Venezuela entre os Pacaraimenses e um setor de pessoas que queriam entrar Brasil
 
     Os moradores de Pacaraima estão protestando contra a insegurança que foi desencadeada na cidade, dizem eles, devido ao fracasso nas leis de imigração, onde eles não exigem, como requisito mínimo, registros criminais para entrada de migrantes venezuelanos no país.
 
     Essa onda de protestos começou na sexta-feira, 7 de fevereiro, depois que um homem de nacionalidade venezuelana estuprou um adolescente que estava indo para a escola nesta cidade.
 
 
        A sessão ordinária da Câmara Municipal de Boa Vista desta terça-feira (11 de fevereiro) estava em andamento, quando chegou um requerimento do prefeito de Pacaraima, Juliano Torquato (Republicanos), pedindo apoio dos parlamentares da capital para as manifestações que acontecem na fronteira desde o último final de semana. Imediatamente a sessão foi suspensa por decisão da Mesa Diretora e os vereadores se reuniram no Plenarinho para discutir o que podem fazer para ajudar os moradores de Pacaraima. A ideia é que todos os parlamentares rumem para Pacaraima ainda nesta tarde de terça-feira.
 
     o presidente da Câmara Municipal, vereador Mauricélio Fernandes (MDB), informou que a Casa decidiu prestar o apoio solicitado pelo prefeito Torquato. Mauricélio disse que a população de Pacaraima não aguenta mais, pois está sendo assaltada e tendo suas crianças e mulheres estupradas. “Tem que haver um maior controle [de entrada de imigrantes na fronteira]. É preciso se tomar uma providência. Esse é um dever e obrigação do Governo Federal”, afirmou.

     De acordo com Mauricélio Fernandes, a Câmara vai dar apoio ao prefeito e à população de Pacaraima no sentido de fazer as autoridades federais enxergarem a real situação em que os brasileiros vivem na fronteira com a Venezuela. Ele observa que a Operação Acolhida consegue cuidar de apenas 7.000 imigrantes venezuelanos, enquanto somente em janeiro entraram mais de 15.000 refugiados no Brasil por Roraima.

     “O trabalho da Operação Acolhida não é suficiente. O Governo Federal deve adotar medidas emergenciais para ter o devido controle da entrada de imigrantes na fronteira”, afirmou. “Nós sabemos que estão vindo da Venezuela traficantes, ladrões e assaltantes. Como é que nós vamos saber se estamos lidando com imigrantes de bem ou com criminosos?”, questionou.
 

Juiz Federal manda desobstruir BR 174 em Pacaraima

O juiz federal Felipe Bouzada Flores Viana, da 2ª Vara Federal Cível e Criminal da Justiça Federal, determinou a desocupação imediata e a abstenção de ocupação da rodovia federal BR 174 e de seus acostamentos por manifestantes no Município de Pacaraima. A determinação judicial mandou cessar também a obstrução da passagem de veículos e pessoas que transitem entre Pacaraima e a República Bolivariana da Venezuela.

A decisão é resultante de uma ação de reintegração de posse, protocolada pela União, devido ao fechamento da BR 174, na tarde desta segunda-feira (10 de fevereiro), por manifestantes que realizam protestos na fronteira desde a última sexta-feira (7), depois que uma estudante indígena foi estuprada por um imigrante venezuelano. O prefeito de Pacaraima Juliano Torquato é apontado como líder do movimento que pede mudanças na Lei de Imigração e mais segurança na cidade.

Felipe Bouzada Flores fixou multa de R$ 10.000,00 por hora aplicada a entidades sindicais e associações, bem como a seus representantes, em caso de desobediência à decisão. O magistrado também estabeleceu uma multa aplicável a cada manifestante “que irregularmente permanecer nos bens turbados/esbulhados, no valor de R$ 500,00 (quinhentos reais)/hora, aplicável desde o marco estabelecido neste parágrafo”.

Na ação, a Advocacia Geral da União (AGU) pede que “seja autorizada a adoção das medidas necessárias e suficientes ao resguardo da ordem no entorno e, principalmente, à segurança dos pedestres, motoristas, passageiros e dos próprios participantes de movimento que porventura venham a posicionar-se em locais inapropriados na rodovia federal BR 174”.

A União também pede à Justiça Federal que os manifestantes “abstenham de ocupar, obstruir ou dificultar a passagem de veículos em quaisquer trechos da rodovias federais acima identificadas; alternativamente, que se garanta a trafegabilidade no leito carroçável nos dois sentidos das rodovias, em quaisquer trechos, vedado o bloqueio da circulação, ainda que parcial, dos demais veículos dessas vias”.

Decisão que manda desobstruir a BR 174 em Pacaraima:

https://drive.google.com/file/d/1JkIqvdQGTrdfjax0K04Bu44JZTs1kfle/view?usp=sharing

 

por outro lado, tarde da noite   

 A reunião dos habitantes de Pacaraima terminou.
     Após um longo dia de manifestações e reuniões entre os diferentes setores afetados em Pacaraima, eles decidiram abrir a fronteira e a cidade de maneira normal amanhã, 12 de fevereiro.
     No entanto, eles aguardarão os resultados da reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão @vprhamiltonmourao e Sergio Moro, ministro da Justiça @sf_moro que será realizado na quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020 em Pacaraima RR para decidir quais ações devem ser tomadas. de cumprir ou não obter resultados positivos para suas necessidades.
     Algumas das coisas que eles pedem são a reforma da lei de migração atual, remoção de casacos da cidade, maior patrulhamento na fronteira e nas ruas, entre outras melhorias para o município, como ônibus escolares.