quinta, 06 de maio de 2021
Terça Livre TV
BRASIL PARALELO
RETROSPECTIVA POLICIAL

Relembre aqui casos policiais que tiveram grande repercussão

Assassinato do PM Daniel Mariotti, Rafael Miguel, Massacre de Suzano, Tenente Joselito, Prisão de ex-primeira-dama

30 dezembro 2019 - 11h30Por Fabrício Cavalcante

SOLDADO DANIEL MARIOTTI

Rio de Janeiro/RJ- No dia 5 de janeiro, o policial miliar Daniel Henrique Mariotti foi baleado na cabeça. De acordo com o comando do 22ºBPM (Maré), policiais militares do batalhão estavam em deslocamento na Linha Amarela, altura do viaduto da Avenida dos Democráticos, quando se depararam com criminosos armados em tentativa de roubo. Ao avistarem a polícia, os criminosos abriram fogo; no confronto, o PM Daniel foi atingido na cabeça. Ele morreu no mesmo dia, a noite. No dia seguinte durante o enterro do policial, o governador do Rio, Wilson Witzel, prometeu caçar os bandidos.

"O Rio de Janeiro acaba de perder mais um herói nesta guerra contra os terroristas nas ruas do nosso Estado. Quero manifestar meu mais profundo pesar pelo assassinato do soldado PM Mariotti e minhas condolências à família. Que Deus o abençoe e o receba. Como governador, a morte de um policial é como perder um filho. Vamos investigar este caso com todo o rigor e não vamos parar o combate ao crime até devolvermos a paz ao Estado", disse o governador.

TENENTE JOSELITO

Manaus-AM/ Na madrugada do mesmo dia de janeiro, as 2h, quatro policiais militares voltavam de uma festa, acompanhados por um amigo de um deles, um civil que trabalhava como borracheiro. Em dado momento, na Rua Monte Horebe, bairro Colônia Terra Nova, um dos passageiros, o tenente Joselito Pessoa Anselmo, sacou uma arma e atirou contra os demais ocupantes. Ele estava embriagado no momento.

O sargento Edzandro Santos e o cabo Grasiano Monteiro Negreiros morreram; os outros ocupantes, o major Lurdenilson Lima de Paula, de 40 anos, e o civil que foi atingido por um tiro na mão ao entrar em luta corporal com o suspeito, sobreviveram.

O atirador, tenente Joselito, foi preso em flagrante. Em 3 outubro, um conselho do alto comando da Polícia Militar do Amazonas (PMAM), decidiu expulsar da corporação o tenente. Além disso, no dia 14 do mesmo mês, a Justiça decidiu que ele vai à júri popular.

ATAQUE EM SUZANO

São Paulo/SP- Em 13 de março, dois homens invadiram a Escola Estadual Raul Brasil, em Suzano, na Grande São Paulo, e mataram sete pessoas. Eles cometeram suicídio após a cachina. Momentos antes haviam matado o dono de uma loja de carros na região.

Os assassinos – Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25 – eram ex-alunos do colégio. A investigação aponta que, depois do ataque, ainda dentro da escola, o mais novo matou o mais velho e logo depois cometeu suicídio. A polícia diz que os dois tinham um "pacto" segundo o qual cometeriam o crime e depois se suicidariam.

Um outro adolescente foi preso e internado provisooriamente na Fundação Casa por 45 dias. Segundo as investigaçõs da polícia, ele foi um dos incentivadores e mentores do ataque. A motivação da chacina nunca foi esclarecida.

RAFAEL MIGUEL

São Paulo/SP- O ator Rafael Miguel, 22 anos, que intepretou a personagem Paçoca na novela Chiquititas, foi assassinado juntamente com seus pais, no dia 9 de junho. O acusado é Paulo Cupertino Matias, pai da namorada do ator.

Segundo as investigações e o depoimento dado à Polícia pela namorada de Rafael, Isabela Tibcheran, 18 anos, o ator e seus pais foram à casa dela conversar com os pais da jovem sobre o namoro deles. Na saída, Paulo sacou uma arma e disparou contra Rafael Miguel e seus pais, João Alcisio Miguel, de 52 anos, e Miriam Selma Miguel, de 50.

Muitos atores mirins famosos como Larissa Manuela, Maisa Silva, entre outros, manifestaram-se pelas redes sociais e pediram justiça. Até hoje o assassino Paulo Matias segue foragido.

ASSALTO AO AEROPORTO DE CUMBICA

Cumbica/SP- Um grupo de oito bandidos fortemente armados disfarçados de policiais federais conseguiu invadir o terminal de cargas do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, na tarde de 25 de julho. Eles roubaram cerca de 718,9 quilos de ouro, montante avaliado em US$ 29,2 milhões (cerca R$ 110,2 milhões), segundo a Polícia Civil.

Os oito homens entraram no aeroporto com duas viaturas clonadas da Polícia Federal, sem placas, uma modelo Triton e a outra, uma Pajero Dakar. Eles estavam com roupas de policiais federais, distintivos, encapuzados, com pistolas, fuzil e carabinas.

Segundo informações iniciais da polícia, um carro ficou na portaria e o outro entrou no terminal de cargas.

O caso foi assumido pelo Departamento de Investigações Criminais (Deic). Policiais fizeram a perícia nos carros abandonados e recolheram impressões digitais. A GRU Airport, concessionária responsável pelo Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos afirmou que o roubo não prejudica o embarque e desembarque de passageiros, e que não houve tiroteio, nem feridos.

PRISÃO DA EX-PRIMEIRA-DAMA DO AMAZONAS

Manaus-AM- A ex-primeira-dama do Amazonas Nejmi Aziz, esposa do senador e ex-governador Omar Aziz, foi presa pela Polícia Federal na manhã de sexta-feira 19 de julho. Além dela, também foram presos três irmãos de Omar, três policiais militares e uma oitava pessoa não identificada. Todos foram alvos da Operação Vertex, da Polícia Federal, que apura crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Nejmi é vice-presidente estadual do PSD-AM e nas últimas eleições concorreu ao cargo de deputada estadual, mas não foi eleita. Seu marido, Omar Aziz, foi governador do Amazonas entre os anos de 2010 e 2014. Desde 2014 ele ocupa vaga no senado. Em 2018 Omar tentou a reeleição ao governo, mas terminou em quarto lugar.

Os três irmãos de Omar Aziz, presos foram: Murad, Amim e Mansour Aziz. A PF não repassou maiores informações sobre os policiais presos..

Nejmi Aziz ficou presa no Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF), e os irmãos Murad, Amim e Mansour ficaram no Centro de Detenção Provisória Masculino I, em Manaus. Antes de darem entrada no sistema prisional, os presos passaram por exame de corpo de delito na sede da Polícia Federal.

Em nota, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) afirmou que todos os presos na ioeração Vertex ficaram custodiados no sistema de Manaus. Para "garantir a segurança e a integridade física e mental dos envolvidos e dos demais internos.", a Seap vai adotar medidas necessárias - não especificadas.

Logo depois, a ex-primeira-dama foi solta por um Habeas Corpus, impetrado por seus advogados. Os irmãos do senador Omar Aziz foram colocados em liberdade em dezembro, respondendo ao processo em liberdade.